quinta-feira, 23 de maio de 2013

Um fliperama lendário que se foi - FREE PLAY

Algumas memórias ficam tão vivas na mente de algumas pessoas, que até parece que o tempo parou. Dessa maneira, percebo que quando me lembro dos velhos tempos é como se eu pudesse ir a todos os lugares como se eles ainda existissem.

Maneira triste e reflexiva de começar a minha postagem de hoje, não é mesmo, caros leitores que acompanham este humilde espaço. Mas é assim que eu me sinto quando lembro de lugares onde eu jogava e que hoje só existem no passado e na lembrança de quem frequentava esses fliperamas. Bem, bola pra frente que tudo que nasce um dia acaba. 

FREE PLAY!! Esse foi um dos fliperamas que eu mais frequentei em minha vida. Ele ficava localizado bem no centro de Brasília, no Setor de Diversões Sul. Comecei a jogar lá por volta de 1999, quando eu trabalhava ali perto e eu ia lá, tanto antes do trabalho como depois. O grande barato era a variedade de máquinas. Haviam pinballs, máquinas de dança (Pump) e claro, os arcades que o povo sempre gostou. O lance da Pump na Free Play era meramente comercial. Como os pumpers não iam lá, a máquina rapidamente foi embora e nunca mais voltou. Foi um fiasco.

Os pinballs eram muito fracos em matéria de quantidade. No quesito QUALIDADE, a história era outra. As máquinas estavam muito bem conservadas e na grande maioria, eram do ano 2000 em diante, ou no máximo de 1995 pra cá. Algumas das máquinas que passaram por lá:

STAR WARS - Holográfica
STAR WARS
REVENGE OF MARS - Holográfica
JOHNNY MNEMONIC
JURASSIC PARK
MAVERICK

Como não havia muito espaço, as máquinas eram revezadas. Se bem lembro, dois pinballs por vez. Essa parte encerra aqui.

O primeiro jogo que eu joguei na Free Play foi Double Dragon de arcade original. Na verdade, só falarei de games originais aqui. Eles tinham também uma Black Tiger, uma Raiden e uma Ghosts´n Goblins. Pena que ficaram lá por tão pouco tempo. Quando comecei a frequentar mesmo de vez, o que mais se via na Free Play eram jogos de luta.

Apesar disso, haviam coisas muito legais de shmups como Giga Wing, Ikaruga, Raiden 2 e Strikers 1945 Plus. Eu simplesmente pirei nessas três máquinas e eram as que eu jogava com mais frequência. Definitivamente, foi ali que eu aprendi a jogar melhor, até porque a sua rival, a REPLAY, batia de frente, mas a qualidade da Free Play era melhor naquela época. Tempos depois, as coisas mudariam de situação, mas prefiro não me adentrar nesse assunto para não sair do foco.

Também joguei muito Puzzle Bobble 3, Super Street Fighter 2 Turbo (a difícil) e Out Run 2 Coast to Coast. Metal Slug X e Metal Slug 3 também foram jogos que eu dei muita atenção e via jogadores de alto nível arrebentando ali. 

Fiz amizade com o cara que era técnico e vendia as fichas lá. Seu nome é muito conhecido aqui em Brasília: Ari. Ele é o brother que fazia a manutenção e matava a gente de rir. Se eu não jogava, gostava de passar muitas horas conversando com ele. O Ari é meu amigo até hoje e ele é o responsável por:

MEU CONTROLE ARCADE DO MK4;
MEU PAD DE PUMP;
MEU PRIMEIRO CONTROLE ARCADE;
EU TER PINBALLS VIRTUAIS NO MEU PC.

Aprendi demais com ele sobre emulação, jogos, controles e vivência. É uma das pessoas que mais me acrescentou nesses últimos 11 anos. O tempo passa, não é?

O grande barato da Free Play era tentar agradar ao máximo a todo tipo de jogadores. Haviam fighting games, shooters, pinballs, jogos de corrida, futebol e uma maravilhosa MULTI-JOGOS! Aí sim a coisa ficou ainda melhor. Então, era extremamente divertido e bacana jogar lá.

Durante um tempo, o fliperama mudou de lugar. Ficou a poucos metros do antigo lugar e haviam dois andares: um térreo e outro no andar de cima. Eu particularmente não gostei porque era um saco ficar subindo e descendo escadas o tempo todo para jogar um game o outro. O lance era permanecer em um andar e depois ficar mais algumas horas no outro. 

Voltaram para a mesma loja depois de alguns meses e surgiu uma ideia muito interessante: a de um corujão. Os jogadores pagavam 15 reais e adentravam madrugada adentro jogando "freeplay" em qualquer jogo que quisesse. Depois, começaram a alugar máquinas para festas e eventos e também a fazer "corujões" durante o dia: o cliente pagava 5 reais e jogava a vontade pelo tempo que quisesse. Infelizmente, as coisas iam ficando mais difíceis por causa da falta de público e ali começou o fim do fliperama. 

Eu conversei muito com o Ari a respeito da vida do fliperama de um modo geral e ele me respondeu: "A Free Play não vai durar muito e fliperama é algo que não vai durar também". Eu fiquei muito triste em ouvir aquilo. Soou como um gongo ensurdecedor e eu não soube o que dizer para ele. Naquele ano de 2011, a loja estava com uma crise tão braba, que eles ficaram com a metade do que tinha, ou seja, perderam muito espaço. Muitas máquinas foram vendidas e no final, sobraram algumas poucas. Mesmo com Street Fighter 4, jogos de PS3 e XBOX 360 (eles estavam apostando em videogames tb) e alguns ótimos lançamentos como Dolphin Blue e uma máquina virtual de pinball, a Free Play encerrou suas atividades naquele de 2011. O motivo do fim? 

Quem sabe?

Eu acredito que tenha sido pelos seguintes motivos: o público era sempre o mesmo (pessoas que trabalhavam por perto e jogavam nas horas vagas), gente que preferia videogames a fliperamas, custo de aluguel do estabelecimento, dificuldades para investirem com tudo na loja. Nesse último ponto, também não adianta de nada investir se não há público. É complicado.

No final, parece que o Ari estava certo. Fliperama tem os dias contados e em alguns anos será uma relíquia como um Telejogo ou um Atari 2600. Fica a saudade e a lembrança e vão os dias inesquecíveis de  jogatina.

Seguem abaixo algumas das melhores fotos que eu selecionei. Deixei várias de fora porque o material é extenso para postar aqui:


Meus amigos Marcos Oliveira e Valter TRB

João, ex-funcionário da Free Play, jogando Raiden DX

Troca de marquises dos gabinetes

Eu, muito diferente, com o Marcos (Puzzled Brain) ao lado da Ssamba que na verdade emulava um Stepmania para jogar Pump

Eu numa tarde de sábado perto de fechar a loja. Ainda lembro que a máquina ao lado do pinball era uma Strikers 1945 Plus

Mestres de Street Fighter II. Romildo e Valter

Valter e seu recorde na Super Street Fighter 2 Turbo

Metal Slug 6. Joguei muito pouco.

Eu e a Puzzle Bobble 3
Os gabinetes eram muito legais. Esse gabinete da  Out Run 2006 Coast to Coast foi totalmente construído pelo Ari



Irei postar mais fotos logo mais. Deu um problema no upload nas demais, então depois eu irei atualizar este post. Muito obrigado pela atenção, pessoal. Até a próxima postagem.

4 comentários:

  1. eita post legal demais esse INNU
    lembro que horario de almoço e fim de tarde era lotado porque a galera saia do trampo e ia tirar uns contras nas maquinas...pra jogar tinha que tentar tirar o cara,,,ou entao rapidinho te tiravam...muito fera rsrsrsrsr

    ResponderExcluir
  2. me fez lembrar de minha infancia de 1987, quando eu era office boy da caixa economica e torrava os vale transporte por la

    ResponderExcluir
  3. Eu choro pq nunca tive acesso a um lugar desses na minha infância/adolescência... Era só pardieiro fedido com no máximo 3 máquinas, onde a gente tinha que se acotovelar com marginalzinho e gurizada cheiradora de cola.

    ResponderExcluir
  4. Bons tempos, pena que não tenho fotos dos fliperamas que eu frequentei na minha infância / adolescência. Quem diria que teríamos acesso a maioria desses jogos em um pen drive.

    ResponderExcluir